23 de novembro de 2016

PROSA DO FOLIA: André Araujo, coordenador da Ala Show da Tucuruvi

2 comentários :
E nos ensaios da Tucuruvi a escola conta com um fator especial, uma ala com muito samba no pé, carisma e dedicação, isso tudo comandado por uma pessoa que é o nosso entrevistado do PROSA DO FOLIA desta quarta. André Araújo, coordenador da 'ala show' do Zaca
Foto: Renato Cipriano / Assessoria Tucuruvi

Para começarmos fale um pouquinho sobre você (um lado que as pessoas não conheçam)
- Sou André Araujo, 35 anos. Sou professor de educação física e pedagogo, atuando na área da saúde como educador físico.  Fora minhas oito horas de trabalho; trabalho como vendedor de roupa feminina. Em minhas horas vagas gosto de escutar músicas, gosto de soul music; hip & hop; mpb e um bom samba de raiz.   Procuro nesses tempos livres praticar exercício físico como: corrida e dança. Tenho o exercício como prevenção e promoção a minha saúde, nada voltado a estética Sou um homem de fé e pensamento positivo, até porque um umbandista acredita no melhor e na certeza a cada segundo. Toda sexta-feira alimento minha alma, não falto neste encontro por nada! Fora isso vivo a vida intensamente...sou amante da cultura, de grafites, roda de samba, conhecer lugares e pessoas é meu forte. Os finais de semana para mim foi feito para viver, comer muita feijoada, tomar uma caipirinha porque o corpo pedi rs e claro um samba para aliviar a alma e renovar o espírito.

Como começou sua trajetória no mundo do samba ? Por quais escola você já passou ?
- Conheci o mundo do samba aos meus sete anos de idade em Bertioga. Na época existia desfile de rua, meus pais que eram novos gostavam da energia da festa e colocaram eu e minha irmã para desfilar. Lembro que desfilamos durante dois anos, depois tudo se perdeu. O tempo passou e eu nem lembrava o que era o Carnaval. Em 1998 minha irmã adoeceu, e a mesma precisou passar por uma cirurgia as pressas o qual preocupou toda família, até porque não tínhamos nenhum diagnostico de sua doença. Quando recebi a noticia me assustei e pedi para meu pai me levar até o hospital. Ao chegar no local me deparei com minha irmã muito fragilizada. Aquela imagem para mim foi horrível, no mesmo momento veio pensamentos ruins e chorei demais. Meu pai sem saber o que fazer pediu para eu me despedir da minha irmã para ela não assusta-la com meu desespero.  Ao sair do hospital meu pai disse: filho não chore; vou levar você em um lugar diferente, divertido. Naquele momento não tinha ouvidos nem cabeça para saber que lugar seria esse, e ele me levou para a quadra da Nenê de Vila Matilde.  Ao chegar em quadra era noite de desfile, a rua estava cheia de integrantes, muitas baianas correndo para o ônibus, muitas cores, pessoas sorrindo...uma energia ímpar. Ao ver aquilo fiquei em silêncio só observando e internamente disse para mim mesmo que se minha irmã saísse daquele quadro clínico eu desfilaria no Carnaval do ano seguinte. Minha irmã conseguiu se recuperar e eu iniciei a vida no Carnaval.  Meu segundo desfile oficial foi em 1999 de lá pra cá não parei mais. Foram 16 anos de Nenê de Vila Matilde (escola aonde conheci sambistas de verdade). Em 2012 inicie na querida família Uirapuru da Moóca, o qual me deu a oportunidade de defender o pavilhão no Concurso da UESP 2014. Neste concurso pude mostrar meu amor ao Carnaval. Em 2015 tive a oportunidade de ser convidado pelo Acadêmicos do Tucuruvi para fazer parte da família; escola que me deu e vem me dando oportunidades incríveis, o que eu só tenho a agradecer e retribuir a cada dia. E assim sigo minha história dentro desse universo mágico e encantador que é nosso Carnaval.

Como veio o convite e como é sua relação com a Tucuruvi ?
- O concurso da UESP me abriu portas. Nele tive oportunidade de conhecer muitas pessoas, uma delas foi o Renato Cipriano. Lembro que ele tirou muitas fotos minha durante o concurso e também no dia do desfile oficial do acesso 1. No ano seguinte comecei a comparecer a quadra do Tucuruvi, e veio o convite por ele para fazer parte da família. Após o convite muitas pessoas (André Oliveira, Katia Barbosa, Buzzy e Cheila Fusco) me apoiaram e me ajudaram a conquistar momentos incríveis dentro do Carnaval.  Dentro desses dois anos mantenho uma ótima relação com a escola e toda diretoria. Estou tento visões  que jamais tinha referente ao Carnaval, assim como venho adquirindo conhecimento a cada dia.
Foto: Renato Cipriano / Assessoria Tucuruvi


Da onde veio a ideia e o porque de montar a "Ala Show" ?
- A ideia de montar uma ala de passistas veio do diretor Rodrigo Delduque e Serginho Oliveira. Ao apresentarem a ideia em reunião o Renato Cipriano citou meu nome como coordenador de ala.Em seguida a ex-rainha de bateria Nadege Delduque, reforçou a indicação do Renato. A diretoria fez o convite e não aceitei de imediato por ser uma ala de passistas. Como tenho dois empregos, não teria tempo para administrar uma ala com 60 à 80 passistas. No exato momento do convite me veio a ideia de oferecer a eles uma ala de sambistas. Na hora eles não entenderam e expliquei a proposta o qual foi aceita pela diretoria. A proposta da Ala Show Tucuruvi é resgatar o "samba". Hoje nosso Carnaval trás para avenida corpo escultural esquecendo de nossa cultura, nossa identidade que é o "samba". Não venho generalizar as sambistas...ainda temos algumas dentro deste cenário , mas não sei se teremos essas futuramente.   Então foi com essa preocupação de resgatar  "o samba" que pensei na Ala Show; o qual hoje acompanha a agremiação seja aonde for com muito samba no pé. Só tenho que agradecer a todos que me deram a oportunidade e de um modo todo especial ao Presidente Sr.Jamil por esta imensa oportunidade, a qual eu tenho muito orgulho em defender as cores da agremiação que ele administra bravamente com muita maestria.

Comandar um time de mulheres é complicado ?
- Como trabalho com pessoas automaticamente esbarra em relações, então tenho toda uma base e experiência para se trabalhar com pessoas seja eles o sexo que fo.
Fotos: Arquivo Pessoal

Como é a sua preparação para o carnaval ?
- Sou uma pessoa que me preocupo muito com a saúde. Acredito que o ser humano precisa se preparar para a vida e não para os momentos. Como carrego comigo essa filosofia, então a forma de viver já me deixa preparado para a maratona de ensaios e ao grande dia. Procuro realizar alimentação saudável durante a semana. Evito carboidratos, frituras, refrigerantes e cervejas.  Pratico exercício físico, como gosto de exercícios aeróbico  isso me ajuda adquirir resistência para os compromissos carnavalesco.

Já aconteceu algum imprevisto na hora do desfile ?
- Acredito que todo sambista já teve seus imprevistos rs  Até o momento passei por um  inclusive foi no carnaval 2016, mas acredito que virão outros pela frente rs. Neste ano faltando cinco horas para entrar na avenida meu figurino estava pronto porém todo errado. Ao retirar a roupa me deparei com algo que não pedi. Fiquei cego de nervoso, sem palavras...sem reação, sai do atelier direto para casa da minha tia (Laia) e juntos reformamos todo o figurino desde costura até pedraria. Lembro que fui para avenida com  os vidros do meu carro aberto para a cola poder secar o mais rápido possível. Mas como o povo brasileiro no final sempre consegue vencer a tristeza, no final eu consegui vencer a minha e sai sambando pelo Anhembi nem lembrando do ocorrido, queria mais era viver o momento.
Foto: Arquivo Pessoal


Qual seu carnaval e seu samba mais marcante ?
- O Carnaval e samba mais marcante  ambos para mim é de 2015 o qual tive a oportunidade de iniciar no Tucuruvi defendo o papel do malandro. Samba Enredo:  Entre confetes e serpentinas Tucuruvi relembra as marchinhas do meu, do seu, do nosso Carnaval.

Qual sonho ainda pretende realizar no mundo do samba ?
- No momento quero manter o papel  que venho exercendo hoje no Tucuruvi por muitos anos. Daqui um tempo quando a idade chegar espero poder me tornar um cidadão do samba e fazer parte da Velha Guarda do Acadêmicos do Tucuruvi.
Gravação da vinheta do carnaval 2017 / Foto: Ramon Vasconcelos/Globo

Você tem alguma inspiração no samba ?
- Claro! Carrego comigo sambistas ímpar dentro desse universo, grandes mestre como: Criolé, Marcus Prado, Cláudio Cerqueira Xavier, Victor Allonzo, Gabriel Castro e nosso grande Sorriso.

O que o carnaval mudou em sua vida ?
- A cada dia o Carnaval me mostra algo novo, abraço as oportunidades como momentos únicos; a cada momento vivido absorvo o que demais importante possa me oferecer. Com tudo vivido até o momento o Carnaval me trouxe lições de vida, oportunidades o qual fora dele talvez não teria vivido....me trás conhecimento, experiências e histórias de vida. Acredito que tenho muito a aprender com o Carnaval...assim como com ele terei muitas outras oportunidades e momentos a viver...pois tudo que é feito com amor o universo responde de forma positiva.

Deixe seu recado para os internautas do Folia do Samba
- Agradeço ao Folia do Samba pela entrevista, podem ter certeza que esse momento levarei eternamente comigo. Espero que todos os internautas tenha gostado da minha vivencia dentro do Carnaval....sei que ainda estou gatinhando, que tenho muitos momentos a passar, muitas histórias a construir, mas confesso que estou feliz em poder mostrar a vocês um pouco de minha trajetória.  Convido todos a visitar minha família Acadêmicos do Tucuruvi, será uma honra receber todos vocês e juntos cairmos no samba.
Muito Obrigado , André Araujo
Foto: Arquivo Pessoal

2 comentários :

  1. Parabéns André! !!!!!
    Todo sucesso do mundo pra vc !!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Meus parabêns pois vc é merecedor de todos esses títulos conquistados

    ResponderExcluir