3 de maio de 2017

Viradouro fixa o número de compositores por obra e proíbe participações especiais

Nenhum comentário :
Os compositores da Unidos do Viradouro receberam na noite desta terça-feira, 2, a sinopse do enredo  “Vira a cabeça pira o coração. Loucos gênios da criação”, de Edson Pereira.
O evento reuniu na quadra da vermelho e branco 60 compositores, número, segundo Paulo Cesar Portugal, que preside a ala, três vezes maior que o registrado no ano passado. Após a leitura da sinopse e a explanação do enredo feita pelo carnavalesco, a diretoria da escola detalhou alguns pontos do regulamento do concurso que vai eleger o hino da escola de Niterói para 2018, entre eles o número máximo de autores por obra, que será sete. Não será aceita a inclusão de parceiros na modalidade “participação especial”, prática frequente em disputas nos últimos anos em diversas escolas, incluindo a própria Viradouro.
As eliminatórias acontecerão às sextas-feiras e a final será em um sábado do mês de agosto, ainda sem data definida. A entrega e apresentação dos sambas será no domingo, 2 de julho. Não será cobrada taxa de inscrição para participação na disputa e cada parceria deverá entregar dois CDs com o samba e 30 cópias impressas da letra.
Ainda durante a reunião com os compositores, a diretoria ressaltou que espera que a disputa para escolha do hino de 2018 seja em clima de festa, acrescentando que o número de torcedores das obras concorrentes não vai pesar em nenhuma etapa do concurso. A direção também frisou que, entre os fatores que serão analisados para a eleição da trilha sonora do desfile do ano que vem - além obviamente da qualidade da obra - estão o desempenho dos sambas na voz de Zé Paulo Sierra, intérprete da escola, e o horário em que a agremiação se apresentará no Sambódromo.
Vice-campeã este ano, a Viradouro integra a Série A. O dia e a ordem de desfile serão definidos por sorteio no próximo dia 13, na quadra do Império Serrano.
Conheça a Sinopse do enredo


SINOPSE

Chegou tua hora, Viradouro!
Grita forte para desestabilizar o cotidiano da razão.
É tempo de virar o mundo todo!
Momento de criar, de novo,
carnavalizando para o povo,
no desordenado reino da imaginação,
estes loucos gênios da criação.

Abraça os magos doutores da erudição!
Trova forças e matizes em explosão prisma multicor,
sela o chão deste asfalto com línguas de cientistas malucos alucinados,
e delira com o mensageiro das estrelas precursor!
Redescobre a energia, a luz, a comunicação e
exalta, Viradouro,
a inventividade e a idealização!
Grita o eureka! ensandecido dos inventores
e a persistência da memória das invenções,
pois se é desde a criação de Adão
que, de louco, todos temos um pouco,
divaga para essa gente os gênios doidos
e seus devaneios de realizações!

Enlouquece, Viradouro!
Vira d´ouro nesta avenida o teu próprio tesouro!
Brinca as glórias dos louros
das obras de uns Vinci a Trinta numes loucos!
Vai aos céus declamando
Ícaro, balões, voos de emoção!
Persegue, junto deles, no caos, o cosmo,
e descobre o teto do firmamento
graças ao Santos que deu asas à imaginação!
Canta as inspirações loucas que recitam a ambição
do apogeu da racionalidade e da sua irmã insanidade.
Ah, e para quem duvida
aquele Trinta também cientista,
quão errante é quem ignora a quimera
que ciência é, da arte, um espelho de mesma matéria?

Então, inspire-se, comunidade!
Conjura, Viradouro,
grandes alquimistas da ficção!
Sábios insanos que (re)criaram a excentricidade
da vida na ficcionalidade.
Saudemos a sétima arte e o humor,
das músicas, o compositor,
e o monstro de Frankenstein, o doutor.
Devotos quixotescos do moinho de fantasia,
fiemos rosários para bispos incompreendidos,
sambemos com chapeleiros e rainhas,
e com um bruxo e seu alienista.

Louvemos fantasmas da dinamarquesa realeza,
gentileza que gera gentileza,
curvando-nos a essa amalucada nobreza!
Mestres tresloucados
que brindam à promiscuidade
do beijo da mentira na verdade.
Criar (n)a loucura não seria assim
jogo irracional entre sensatez, emoção
e um delirar sem fim?

É, aqui, enfim, na Apoteose da utopia,
o encontro daqueles artesãos da loucura da criação
com a felicidade da alegria.
Frente à explosão de poesia,
abrem-se os pavilhões para os fanáticos pela folia.
Venham, Mestres, celebrar, pela Viradouro, nossa paixão,
fascínio que vira a cabeça e pira o coração!
Venerá-la tal qual um Pierrot que de euforia enlouquece
sonhando que, possível, o impossível lhe parece.
Amá-la neste mundo de galhardia,
como se fosse os braços de Colombina!
Sejam imperadores na avenida,
vivendo tal amor com maestria!
Venham jogar tudo pro alto, celebrar,
perder a cabeça até o dia clarear!
Sonhar a absurda feliz liberdade
na ópera de rua,
teatro de criatividade!
Pois não seriam gêmeos a loucura e o criar
do carnaval amante do amar?

E ao desfilar, Viradouro,
fantasia no palco criadouro
fazendo bricolagem com sonhos e bons agouros!
Enobrece as criações da imaginação
daqueles gênios que eram e são!
Vira o espelho da dúvida
olhando para si, afinal –
quem sabe se, metáfora do real,
no fim,
loucos também não criaram o carnaval?

Autores: Edson Pereira, Clark Mangabeira e Victor Marques

Nenhum comentário :

Postar um comentário