27 de julho de 2017

Colibri divulga logo e sinopse do enredo

Nenhum comentário :
ENREDO: “DITADO POPULAR É O BICHO!”

JUSTIFICATIVA DO ENREDO:
Para o carnaval de 2018 a Colibri encontrou na sabedoria popular um tema divertido, irreverente e que faz parte do nosso folclore nacional. Buscamos um tom de leveza e brincadeira, para desfilarmos com esse espírito ao clarear do dia. Levaremos para a avenida os ditos populares que citam alguns animais, afinal, temos um Colibri em nossa bandeira, e por isso a inspiração do enredo.
Esses ditados são, obrigatoriamente, frases e expressões faladas, passadas de boca a boca, de geração para geração. São provérbios que utilizam figuras de linguagem, como alegoria e metáfora, e por isso caem no gosto popular.
Sem um autor definido, fruto da criatividade de um povo, que de tanto ser falado e repetido, viram corriqueiros, ou populares, como o próprio nome indica. São ditos com significados bem variados, mas são facilmente identificados quando pronunciados. Por conta do tempo, alguns vão se perdendo e dando lugares a outros, mas, tem uns, e não são poucos, que, por utilizarmos sempre no nosso dia-a-dia, sobrevivem.
E é isso que a Colibri também deseja: sobreviver ao tempo e permanecer fazendo história no carnaval, alçando sempre voos maiores. A alegria e a descontração serão a nossa marca de comunicação e interação com o público.
Entraremos na avenida com essa espontaneidade, desvendando, através de nossas fantasias e alegorias, esses ditos tão falados em Mesquita e em qualquer lugar do nosso país. Vamos fazer uma grande festa na Intendente!!! Nós viemos para ficar na boca do povo.


SINOPSE:
O presidente cobrou - Cadê o enredo, seu carnavalesco?
“Macacos me mordam”, pensei. Ainda não tinha algo definido, e se eu demorasse a apresentar alguma coisa “a cobra ia fumar”.
E como “jacaré que fica parado vira bolsa”, corri atrás do prejuízo.
Alguns “amigos da onça” até sugeriram variados temas e quase que caí na deles “comprando gato por lebre”. Só que “quem não tem cão caça com gato”. Parei de “pensar na morte da bezerra” e coloquei a cuca pra funcionar, afinal: “camarão que dorme a onda leva”. Até que um dia, finalmente...
- É isso! Eureca! “Caiu na rede é peixe”. E fui logo falar com o presidente:
– Olha chefia, é um enredo cultural, irreverente e alto astral. Não é nenhum “elefante branco”, pode ficar tranquilo.
- Sou todo ouvidos! Espero que venha algo bom. Não quero chorar “lágrimas de crocodilo” no final, entendeu? – Ele respondeu.
- Sem chances. “Nem que a vaca tussa”. Deixa isso pra lá. O senhor sabe como é, “de grão em grão a galinha enche o papo”.
- O que você tá falando?
- Então: eu vi um “passarinho verde”. Na verdade, gosto de pensar que era um colibri verde-vermelho-branco.
- Desembucha logo!
- Ditado popular, comandante.
- Ditado popular?
- Não só isso. Ditado popular com animais.
- Olha! Esse enredo vai ser o bicho!
- “Ditado popular é o bicho”! Hummm... Isso daria um bom título.
- Fechado! “Acertou na mosca”! Agora, mãos à obra. Chama a comunidade toda, pois “uma andorinha só não faz verão”.
- Pode deixar patrão!
- Bora então voar bem alto...
- Vamos lá... “soltar a franga” e as suas “feras” neste carnaval!
- Ihh! Alto lá! “Quem fala muito dá bom dia a cavalo” hein?
- Deixa comigo presidente! “Colibri voa pra frente fazendo festa na Intendente”.
- Aí sim eu vi vantagem!

Comissão de Carnaval - Carnavalescos
Danilo Couto, Fábio Granville e Marcos Couto – Autores do Enredo

UM PEQUENO GLOSSÁRIO DOS DITADOS E EXPRESSÕES POPULARES UTILIZADOS NA SINOPSE:

“É o bicho”: O mesmo que dizer que algo é legal, incrível, único, etc.
“Macacos me mordam”: Expressão antiga que demonstra espanto, algo que você não acredita.
“A cobra vai fumar”: É o mesmo que dizer “O bicho vai pegar”. Quando algo muito importante, geralmente ruim e ameaçador, vai acontecer em breve. Previsão de castigo, advertência, problema, etc.
“Jacaré que fica parado vira bolsa”: Expressão que nos remete a movimento, a não ficar parado no tempo.
“Amigo da onça”: Diz-se daquele amigo falso ou traidor.
“Comprar gato por lebre”: Significa ser enganado, a expressão nasceu durante a guerra muitos comerciantes realmente vendiam carne de gato no lugar de lebre, para isso eles deixavam a carne felina na água temperada para disfarçar seu cheiro.
“Quem não tem cão caça com gato”. Originalmente a expressão era “Quem não tem cão caça como gato”, ou seja, da mesma forma que os felinos (traiçoeiramente, astutamente, esgueirando-se), e com o passar com tempo o ditado sofreu está modificação.
“Pensar na morte da bezerra”: A história mais razoável para explicar a origem do termo é proveniente das tradições hebraicas, onde os bezerros eram sacrificados para Deus como forma de redenção de pecados. Um filho do rei Absalão tinha grande apego a uma bezerra
que foi sacrificada. Assim, após o animal morrer, ele ficou se lamentando e pensando na morte da bezerra. Expressão popular utilizada quando alguém aparenta estar distraído, introspectivo, alheio a tudo e muito pensativo.
“Camarão que dorme a onda leva”: É o mesmo que dar bobeira, se distrair, precipitar-se, agir com displicência.
“Caiu na rede é peixe”: Expressão popular que significa: tudo serve; tudo vale; tudo é bom, aproveita-se tudo.
“Elefante branco”: Algo grande e notável, mas que é quase inútil e que atrapalha.
“Nem que a vaca tussa”: A frase original é “Nem que a vaca tussa e o boi espirre”, significa de jeito nenhum, não, nunca, jamais, impossível, de forma alguma. Porém, este provérbio não tem nenhum fundo de verdade, já que uma vaca tossir e um boi espirrar não é algo difícil de acontecer.
“Lágrimas de crocodilo”: Expressão popular que significa: choro não sincero; choro falso, fingido.
“De grão em grão a galinha enche o papo”: Significa dizer que de pouco em pouco se alcança o objetivo. Usa-se a expressão também no sentido financeiro de que se poupar recursos pode-se adquirir algo desejado.
“Ver passarinho verde”: Expressão usada quando vemos alguém feliz, alegre e apaixonado. O verde é a cor da esperança e da paz. De acordo com o folclorista Luís da Câmara Cascudo, no livro Locuções Tradicionais no Brasil, a tal ave era o periquito, muito usado para levar no bico mensagens trocadas por casais. Para a escola é o próprio colibri, símbolo da agremiação.
“Acertar na mosca”: Significa acertar em cheio; ter aprovação.
“Uma andorinha só não faz verão”: Diz-se para exemplificar que um trabalho feito em conjunto rende muito mais ou que uma pessoa sozinha não faz grandes coisas.
“Soltar a franga” e as “feras”: Expressões usadas no sentido de desinibir-se, não ter vergonhas. Divertir-se.
“Quem fala muito dá bom dia pra cavalo”: Ditado usado para àquela pessoa que fala demais, explica tudo nos mínimos detalhes, mas ninguém entende nem dá atenção.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: 
http://onda21.com.br/as-expressoes-ou-ditados-mais-populares-que-o-povo-usa-saiba-suas-origens/ http://www.megacurioso.com.br/papo-de-bar/69799-30-ditados-e-expressoes-populares-antigos-e-sabios.htm
http://www.suapesquisa.com/musicacultura/proverbios.htm https://pt.slidesharehttps://atalibaneto.wordpress.com/2009/05/10/origem-dos-ditados-populares/.net/ganzelevitch/ditos-populares-11431031
http://www.qualeagiria.com.br/giria/macacos-me-mordam/
http://www.dicionarioinformal.com.br/
http://www.dicionariodeexpressoes.com.br/busca.do expressao=Uma%20andorinha%20s%F3%20n%E3o%20faz%20ver%E3o
http://baby-fazendodiferenca.blogspot.com.br/2009/09/viu-passarinho-verde.html https://www.significados.com.br/pensar-na-morte-da-bezerra/

Nenhum comentário :

Postar um comentário