19 de setembro de 2017

'O reino está nu' é o enredo da Curicica para 2018

Nenhum comentário :
O G.R.E.S. União do parque Curicica, voltando com a temática lúcida e irreverente, que são marcas da escola, apresenta o enredo para o carnaval de 2018, com o titulo “O Reino está nu!” que será desenvolvido pelo carnavalesco Marcus Ferreira

- Atendendo a um pedido da Presidência, trouxe um enredo com a irreverência da escola, e o mesmo é inspirado em obras literárias infantis, que sintetiza nos plebeus a verdadeira força de um Reino. Clama em paralelo, pelos trabalhadores do carnaval, os trabalhadores das coxias, verdadeiros reis e rainhas da maior ópera popular. Disse o Carnavalesco Marcus Ferreira

O G.R.E.S. União do Parque Curicica será a décima segunda escola a desfila, na Terça Feira de Carnaval pela Série B, dia 12/02/2018, na passarela popular da Intendente Magalhães.


SINOPSE 
´´Não é ouro nem nunca foi, A coroa que o Rei usou, É de lata barata, E olhe lá... Borocochô! ...`` (Marchinha – A Coroa do Rei - Haroldo Lobo, David Nasser, Odeon) 

1 – O Reino está nu! 
Ao alto, a visão do poder perpetuado nas flâmulas: a Coroa, símbolo do respeito maior. Dentro, um Castelo infestado por roedores e usurpadores peçonhentos. Tetos desenhados por teias, castiçais sustentam velas gastas. A visão do abandono e da sujeira escondida por debaixo do tapete. Descaso real de uma irreal Monarquia em crise. Nos corredores, a zombaria da Rainha Má e de seus Vice-Reis falidos ecoa. Repletos da soberba vivida de glórias passadas, por um Reino para o qual nada fazem. 

2 – Os verdadeiros Plebeus. 
Nos porões a arte para um grande carnaval. O ferro velho enverga no sentido alegórico. A madeira em desuso molda o cenário. Esculturas esquecidas ganham nova vida, enfeitando salões. De pequenos pedaços de trapos, faço as vestes. Belas fantasias alfinetadas em ateliês repletos de empenho e suor, onde artistas, moradores das coxias, pintam e bordam. Pedras gastas ganham o brilho necessário na finalização de adereços. Capas de veludo, esquecidas, viram tapetes para o desfile dos Monarcas ´´falsos-bacanas``. Somos prisioneiros da ansiedade e do tempo. Fiz-me pedinte de porta em porta, de Reino em Reino: de tesouras e colas. Dos meus dízimos, por vezes, custeei tantos relicários. Nas goteiras, amparei água de beber para muitos artesãos. Zelei pela fome de muitos, em inúmeras noites de longas angústias. Bati o pó dos candelabros. Guardei a sujeira nas estranhezas. Preparei os salões para receber o ilustre baile de máscaras. 

 3 – As aparências enganam... 
Após oito derrotas em árduas batalhas, o Reino, enfim, comemora a sua vitória ´´na guerra``. Fogos de artifício riscam os céus. Candelabros são acesos, cavaleiros empunham cornetas. O castelo se enche de vida. Músicos (audaciosos) soam os primeiros acordes; dançarinos (ou passistas) ensaiam passos de minueto; o banquete é servido. ´´Quem paga, senta-se a mesa!`` - Ordena a Rainha. Nos salões o desfruto da falsa-fidalguia. Nos bastidores, o corre-corre dos Plebeus. Exaustos, os verdadeiros reis e rainhas do maior espetáculo. Baile entregue. Barriga cheia, ´´pé no mundo``. ´´Cortem as cabeças!`` - Ordena a Rainha. 

4 – E segue o baile... 
Minha alegria não emana com a mesma graça de sempre. A maquiagem escorrida revela o cansaço. Sujos, os sapatos cheios de graxa. O lamê não brilha como em tempos de outrora. As gravatas de bico não dispõem da mesma armação. Guizos enferrujam. Luvas gastas cobrem mãos calejadas de trabalho. O sorriso se esconde. A máscara se perde. Meus dízimos não foram pagos. Deposto: O Bobo da Corte. Para todos artistas, viventes do amor à arte de fazer carnaval. Marcus Ferreira Carnavalesco Henrique Pessoa Revisão Textual

Nenhum comentário :

Postar um comentário