21 de maio de 2018

PROSA DO FOLIA: Alemão do Cavaco, diretor musical da Mangueira

Nenhum comentário :
Ele foi um dos compositores do samba da Mangueira nesse ano, diretor musical da escola carioca e há quatro anos comentarista da transmissão do desfile das escolas de São Paulo, pela TV Globo. Integrante do grupo Dose Certa. Hoje é dia de Prosa do Folia com Alemão do Cavaco.
Foto: AUGUSTO WYSS 

Como começou o envolvimento com o carnaval?
- Há muito tempo, eu era garoto e ficava encantado com os desfiles e os sambas. Quando eu era adolescente, tinha um diretor de harmonia da Camisa Verde e Branco que morava no meu prédio, ele viu o meu amor pelo carnaval e me levou a conhecer a escola. Junto a isso, eu sendo Corinthiano, já frequentava os estádios e a Gaviões da Fiel tinha saído da condição de bloco para ser escola de samba. Fiquei sabendo disso em um jogo e me convidaram para conhecer os ensaios e a quadra. Desde então, não parei mais. 

Por quais agremiações você já participou?
- Com cargos de importância, Gaviões da Fiel, Caprichosos de Pilares, União da Ilha e X9 Paulistana e, claro, Estação Primeira de Mangueira, onde voltei a exercer o cargo de diretor musical, mas já desfilei em diversas baterias, por ser uma paixão e para ajudar alguns amigos. 

Como veio o convite para ser diretor musical da Mangueira?
- Já havia sido diretor musical de 2013 a 2015, a escola sempre me citou e a comunidade também fazia alguns pedidos. É uma honra estar de volta. Lembrando que nunca saí da escola porque sou da ala de compositores. 
Alemão do Cavaco e o Presidente Chiquinho da Mangueira

Na sua visão qual a principal função de um diretor musical?

- É fazer com que a harmonia musical da escola esteja em sintonia perfeita entre bateria, carros de som e canto das pessoas. Tudo tem que errar arranjado e ensaiado da melhor maneira para que reflita no desfile com o seu sucesso, contribuindo com as notas de harmonia, samba enredo e bateria. 

Qual a diferença entre o Alemão da Mangueira para o Alemão integrante do Dose Certa?
- Há bastante. O da Mangueira é um apaixonado sambista que se dedica ao melhor resultado de uma disputa e se preocupa com o carro de som, a bateria e o canto da escola. Além disso, é rígido e firme nos ensaios, às vezes, até autoritário, mas sempre  procurando o melhor, respirando sua bandeira e as pessoas. 

O do Dose Certa já tem os seus integrantes / companheiros como sócios e parceiros no mundo artístico, buscando um espaço para um projeto de vida e pessoal na MPB e  quer eternizar o seu nome como instrumentista e compositor no mundo do samba, e  a preocupação não é com a disputa e sim, com os fãs. 

O Dose Certa acabou de lançar o samba ‘Solteirice’ com a participação do Alexandre Pires. Como está sendo a repercussão?
- Está sendo fantástica! Mesmo sem os recursos financeiros esperados pra se fazer um lançamento tão grandioso no mercado de hoje, conseguimos, em pouco tempo, números  extremamente expressivos, como mais de 160 mil streamings e de um milhão de impressões no YouTube e a música está sendo aceita em algumas rádios e já pedida em shows. Alexandre é um irmão de longa data, mas essa música e essa parceria nos aproximaram ainda mais. Além de tudo, ele é mangueirense (Risos).
Dose Certa / Foto: AUGUSTO WYSS 

Quais os próximos passos do grupo?
- No momento, o objetivo é divulgar muito ‘Solteirice’ e outras canções em todos os veículos, também estamos com novas parcerias em vista e, em breve, teremos muitas novidades.

Como você concilia o trabalho na Mangueira com o do Dose Certa?
-É difícil, mas sou muito organizado e prático em questão de agenda. Não gosto de perder tempo e nem de fazer ninguém perder o seu. Organizo a agenda e faço muito o uso de tecnologias como drives e partituras online. Porém, quanto mais o calendário aperta, precisamos nos ver e ensaiarmos mais, sempre buscando a perfeição. 

Como funciona a sua preparação para a folia?
- Como disse, já venho me preparando há meses. Não deixo nada pra última hora, pois quando chega nela, já tem que estar tudo muito ensaiado e seguro. De tanto nos dedicarmos e aproveitarmos com antecedência, a proximidade do dia só nos deixa mais ansioso, porém já sabendo o que temos que fazer.

Os dias antes do são extensos e muito cansativos, mas procuro, na última semana, deixar o time mais tranquilo e descansado pois o que tínhamos que fazer, já foi feito. 

Qual a mudança que o carnaval fez na sua vida ?
- Muita! Primeiro, a emoção, a paixão, o arrepio, posteriormente a admiração e o conhecimento técnico e histórico.  Fiz muitas provas de história e geografia com sambas enredos. Se as pessoas soubessem da riqueza cultural que temos por trás de um desfile, da riqueza teatral, artística e musical, essa festa teria um valor imensurável. Infelizmente, a queda do ensino nas escolas / colégios e o baixo nível cultural que vive a nossa música comercial, destruíram um pouco essa magia. Mesmo assim, entra e sai ano e as pessoas dizem que irá acabar que ninguém mais gosta dos desfiles e continuamos a ver, a cada ano, os locais de desfiles mais lotados e disputados. Mesmo que infelizmente ainda muitas pessoas sem saberem do que se trata e mal sabendo cantar um samba, mas o carnaval me abriu uma outra visão sociocultural e é emocional pra vida. 

O que o carnaval significa para você em apenas uma palavra?
- Espetacular!

Aquele recado especial do Alemão para os internautas do Folia do Samba e amantes do seu trabalho
- Não seria um recado, mas um agradecimento enorme às pessoas que ainda conseguem amar e respirar os momentos dessa festa tão magnífica que envolve um trabalho tão sério de tanta gente e que ainda diverte e informa a todos. 
Espero que este público cresça cada vez mais e que possamos abrir os olhos e continuarmos protestando, aprendendo e divertindo com o maior espetáculo da Terra. 

Foto: AUGUSTO WYSS 

Nenhum comentário :

Postar um comentário