Tom Maior já tem enredo para o carnaval 2019 - FOLIA DO SAMBA

Anuncio No Post

Tom Maior já tem enredo para o carnaval 2019

Compartilhar
A escola de samba Tom Maior anunciou na noite desta terça-feira (15) o enredo que vai defender no Carnaval 2019. “Penso. Logo existo. As interrogações do nosso imaginário na busco do inimaginável” foi desenvolvido pelo carnavalesco André Marins, que assina pela primeira vez um enredo autoral.

A revelação foi feita em evento fechado aos componentes da escola, realizado na Fábrica do Samba. Após a apresentação, o anúncio oficial foi feito para toda a comunidade na página da Tom Maior no Facebook.


“Eu tinha essa vontade de brincar com o imaginário do público. Quero que eles entendam os ‘porquês’ das coisas”, conta o carnavalesco André Marins.  

O enredo navega pelos principais questionamentos do homem, como “De onde viemos?”, “Para onde vamos?” e “Quem é Deus?”. Além disso, aborda a curiosidade e sede de conhecimento na relação entre mundo e humanidade, passando do misticismo até as grandes invenções saídas da mente questionadora de grandes cientistas.

“Eu gosto de enredo em que a gente possa esclarecer coisas, desvendar a curiosidade sobre algo”, comemora a presidente da escola, Luciana Silva.

Na próxima terça-feira (22), o carnavalesco André Marins fará a explanação do enredo para os compositores. O encontro será às 21h na Fábrica do Samba (Av. Dr. Abrahão Ribeiro, 740).



De onde viemos?

No começo era o nada.

“No princípio Deus criou os céus e a terra.”. Assim começa o Gênesis, base das três principais religiões monoteístas do mundo. E por ser a Terra sem forma e vazia, disse Deus: “Haja luz”, e houve a luz.  Eis a mais famosa explicação do homem ocidental para a primeira pergunta: “De onde viemos?”. Qual a origem do universo? Em toda parte, em qualquer cultura, todos os povos se fizeram a mesma questão existencial. E as religiões, preocupadas em dar alívio aos seus fiéis, esforçavam-se em encontrar suas próprias respostas.

Adão, Eva, a Serpente e a Maçã. Figuras que povoam nosso imaginário mesmo que a Bíblia nunca tenha dito expressamente que ‘Maçã’ era o nome da fruta. O que se diz sobre ela é que aquele era o fruto do conhecimento. Buscaram eles, como Deus, “Ser conhecedores do bem e do mal”. Adão e Eva também estavam em busca de respostas e, como castigo, foram expulsos do paraíso em direção a um mundo repleto de muitas dúvidas. 

A ciência, por sua vez, desvenda evidências do surgimento e evolução das espécies, planetas e o universo. A grande explosão no meio do cosmos, o Big Bang? O homem evoluindo do macaco, nas teorias de Darwin? Cientistas em busca de novas verdades e alívio para as almas sedentas de resposta: “De onde viemos?”.

Quem é Deus?

Diferentes civilizações revelam diferentes mitos. Personagens e histórias que ajudam a entender a existência do homem e o sentido da vida, além de preservar a memória histórica de cada povo. Muito além da criação do mundo, deuses, semi-deuses e outros seres míticos nos ajudam a explicar nossas próprias realidades. Seres imortais, mas por vezes falíveis, com características humanas, como amor, ira, ciúmes, inveja, caridade e traição. Virtudes e defeitos encontrados em seus panteões. 

Para muitos povos, os Deuses eram figuras vívidas, heróis que habitavam o mundo material e influenciavam os rumos de nossas vidas. Para outros, seres supremos que nos explicam fatos políticos, econômicos e sociais. Personagens cujos feitos eram transmitidos principalmente através da tradição oral, explicando nossa relação com o mundo e nossa condição neste planeta.

Em cada canto do globo a pergunta foi feita, trazendo infinitas respostas. Existe Deus? Como ele é? Um ou muitos? Seriam todos manifestações de um mesmo ser, moradores de um Olimpo universal?

Como será o amanhã?

Pensando saber sua origem e a força de seu criador, o homem passa a buscar nos elementos da natureza a resposta para mais uma dúvida: “Posso prever e controlar meu destino?”.

Está no imaginário popular um mundo fantástico de possibilidades mágicas para responder esta pergunta. Fábulas e mitos habitam o mundo das coisas ocultas, os segredos que Deus guardou na natureza e o homem tenta revelar. Terá Ele nos dado poder através de plantas e ervas, que se misturam em fórmulas mágicas e poções do amor? Ciganas e cartomantes buscam nas linhas das mãos e no aleatório do baralho as respostas sobre nosso destino. Videntes e profetas olham as estrelas para encontrar o futuro.

Aí que surge a lua…

Esplendida e majestosa. Redonda como um disco de prata que o próprio criador arremessa na limpidez escura e grande no espaço. Seus reflexos influenciam os homens, as marés, a vida e inspira o amor. Cria em suas fases um fascínio maravilhoso e sem fim. A posição do astro no céu no momento que nascemos ou na hora em que cortamos o cabelo tem influência sobre nossas vidas?

Mas não é possível brincar com o destino e sair ileso. O medo do oculto é o custo de tanta ousadia. Será que o ‘bem’ ou o ‘mal’ não cobrarão o preço dessa insolência? 

Também sou o criador? 

O homem então passa a questionar todas as suas crenças, todos os seus limites e medos. Como na frase de René Descartes, “Penso, logo existo”, o homem percebe que a força de sua evolução está no questionamento. A ciência prospera no confronto com suas próprias bases, os dogmas de Deus e do homem.

Querendo transformar a realidade, o homem sai em busca da pedra filosofal. Estão chegando os alquimistas, grandes pensadores que misturam elementos de diversas ciências para transformar a realidade.

O que diria hoje o grande Leonardo Da Vinci sobre o sonho do homem poder voar? Ou a inquisição católica sobre o célebre matemático e astrônomo italiano Galileu Galilei? Albert Einstein e o novo pensamento da “relatividade”, mostrando que as ideias de espaços e tempos não são conceitos absolutos. São os questionamentos dessas mentes brilhantes que moveram o mundo e nos trouxeram ao conhecimento contemporâneo.

Existem perguntas sem resposta?

Mas a ciência não trouxe todas as respostas. A cada nova descoberta, outras duas perguntas surgem. No imaginário do homem, infinitas questões ainda fermentam e instigam. Fazem o homem seguir se questionando e navegar no seu imaginário em busca do inimaginável. Imaginar é sonhar acordado. E sonhar é questionar a realidade, confrontar o que se sabe com o universo do onírico.

O homem ainda se põe a pensar sobre o tempo e o espaço, as medidas de tudo. O mundo acabará um dia? Estamos sós no universo ou no meio de tantas estrelas, aquelas que podem apontar nosso destino, vivem outros seres ávidos por nos conhecerem? Seremos diferentes deles? Aliás, o que nos faz diferentes dos animais e dos nossos primos, macacos? Somos um amontoado de células, genes? Temos uma alma ou nosso corpo é tudo o que nos compõe?

E lá, no fundo do baú das perguntas sem resposta, a mais inquietante de todas: “Para onde vamos”? Haverá uma vida após a morte? Ultrapassada a última fronteira visível, o que nos espera no além?

Se todas as respostas levam a novas perguntas, a conclusão só pode ser uma: Nunca acabarão as questões. O homem seguirá, aqui e no além, se questionando e alimentando sua imaginação. Seguirá na busca do inimaginável.


Carnavalesco: André Marins

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anuncio No Post