Confira letra definitiva do samba-enredo da Portela para 2019 - FOLIA DO SAMBA

Anuncio No Post

Anuncio Aqui

Confira letra definitiva do samba-enredo da Portela para 2019

Compartilhar
Primeiro ensaio de canto será realizado nesta quarta-feira, a partir das 20h

A diretoria da Portela decidiu fazer pequenas modificações na letra do samba-enredo para o Carnaval 2019, após reunião no barracão da Cidade do Samba, nesta segunda-feira (8), com o presidente Luis Carlos Magalhães, o intérprete Gilsinho, os integrantes da comissão de Carnaval, os compositores vencedores, o mestre de bateria Nilo Sérgio e o diretor musical Serginho Procópio.
As mudanças foram realizadas com o objetivo de eliminar qualquer possibilidade de problemas futuros envolvendo direitos autorais.
Nesta quarta-feira (10), a Portela realizará em sua quadra, a partir das 20h, o primeiro ensaio de canto visando a gravação do coro para o CD do Grupo Especial.
Terceira agremiação a entrar na Avenida, na Segunda-feira de Carnaval, a Portela buscará o 23º título de sua história com o enredo "Na Madureira Moderníssima, Hei Sempre de Ouvir Cantar uma Sabiá", da carnavalesca Rosa Magalhães.

Foto: Leo Cordeiro / Divulgação

Letra do samba da Portela - Carnaval 2019
Enredo: Na Madureira Moderníssima, Hei Sempre de Ouvir Cantar uma Sabiá 
Autores do samba-enredo: Jorge do Batuke, Valtinho Botafogo, Rogério Lobo, Beto Aquino, Claudinho Oliveira, José Carlos, Zé Miranda, D’Souza e Araguaci
Axé... sou eu
Mestiça, morena de Angola, sou eu
No palco, no meio da rua, sou eu
Mineira, faceira, sereia a cantar, deixa serenar
Que o mar... de Oswaldo Cruz a Madureira
Mareia... a brasilidade do "Meu lugar"
Nos versos de um cantador
O canto das raças a me chamar
De pé descalço no templo do samba estou
É rosa, é renda, pra Águia se enfeitar
Folia, furdunço, ijexá
Na festa de Ogum Beira-mar
É ponto firmado pros meus orixás
Eparrei Oyá, Eparrei...
Sopra o vento, me faz sonhar
Deixa o povo se emocionar     (refrão)
Sua filha voltou, minha mãe
Pra ver a Portela tão querida
E ficar feliz da vida
Quando a Velha Guarda passar
A negritude aguerrida em procissão
Mais uma vez deixei levar meu coração
A Paulo, meu professor
Natal, nosso guardião
Candeia que ilumina o meu caminhar
Voltei à Avenida saudosista,
Pro Azul e Branco modernista... eternizar
Voltei, fiz um pedido à Padroeira
Nas Cinzas desta Quarta-feira... comemorar

Nossas estrelas no céu estão em festa
Lá vem Portela com as bênçãos de Oxalá
No canto de um Sabiá                  (refrão)
Sambando até de manhã
Sou Clara Guerreira, a filha de Ogum com Iansã

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anuncio No Post