PAPO RETO COM TIAGO LINCK - É que eu sou da pele preta, quilombo do povo - FOLIA DO SAMBA

Anuncio No Post

PAPO RETO COM TIAGO LINCK - É que eu sou da pele preta, quilombo do povo

Compartilhar

VAI VAI 2019
ENREDO:” O QUILOMBO DO FUTURO”

Foto: Deko Freire Da Silva

As lutas do povo negro até a resistência nos dias atuais. É assim que a Vai Vai apresenta seu Carnaval 2019.

Vamos voltar no tempo. África, o berço da humanidade. Um povo marcado no tempo pelas marcas trazidas pela escravidão.No passado , o conhecimento, a fé andavam juntos pelo África. Um povo que já sofria, mas se mantinha de pé pela fé nos  orixás. A luta sempre andou com esse povo, a resistência mantinha eles pé na tentativa de esperar por tempos melhores.

 A rota fez esse povo parar em diferentes partes do mundo, traficados pelo mar, acorrentados por aqui vieram parar e se tornarem escravos de um sistema cruel que os massacravam. Ainda assim nas senzalas ouvia-se a dor e seus lamentos, mas nunca a tentativa de desistir, aguentavam a chibata opressora que sangrava na carne e feria a alma desse povo desbravador.

As páginas contam e contam as histórias dos negros, porém que devolvam os tons e as histórias desse povo que teve que aguentar tudo para sonhar com tal liberdade e ainda que se preserve a  importância que eles tem para o futuro. E será que ela veio? Nessa viagem ao passado projetando o futuro, desconstruiremos a história opressora que teve, porém embarcaremos numa história que precisa ser dita, jamais escondida. A história que até hoje em pleno século XXI precisará de se  bater na tecla para “ainda” se mostrar as lutas do povo negro. A mesma luta que lá no passado na África foi de desespero até chegar a serem escravos e serem torturados, hoje se vê as desigualdades gritarem mais altas, a violência bater na porta e até mesmo muitos serem assassinos todos os dias na mais cruel injustiça que se ainda prega.

O povo negro na sua garra, luta, luta, fala em tom alto, clama por igualdades que ainda não se tem. Absurdo ainda imperar a resistência, na maioria, dos brancos  porque esse fez sofrer a mais cruel sangraria.

O elo perdido precisa se achar, esse mundo precisa se evoluir, a resistência de julgamentos pelo tom de pele precisa acabar, os direitos precisam se equivaler.
As lutas continuarão desse povo que clama por igualdade, por justiça, a mesma que Xangô traz, um espelho de seus orixás nessas lutas. A caminhada há de seguir na tentativa de se construir  uma nova frente de avanços.

Personalidades que tiveram uma suma importância terão destaques nesse enredo, personalidades que ao longo da história foram decisivos pelas conquistas que tiveram e as novas gerações que se espelhem neles para se construir um novo caminho de igualdades. A luta segue.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anuncio No Post