Papo Reto com Tiago Linck - Série A do Carnaval Carioca - FOLIA DO SAMBA

Anuncio No Post

Papo Reto com Tiago Linck - Série A do Carnaval Carioca

Compartilhar


ANÁLISE DOS ENREDOS DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO DE ACESSO DO RIO DE JANEIRO 2020

Acadêmicos do Vigário Geral
“ O Conto do Vigário” Damos início a análise dos enredos da Série A do Rio de Janeiro e começamos com a escola de Samba Vigário Geral que traz como enredo “O Conto Do Vigário” a qual pretende fazer uma narrativa de fatos revelantes sobre tudo aquilo que teriam impedido o Brasil de dar certo, são histórias que: até mesmo é uma forma de ludibriar as pessoas na tentativa de ganhar sobre o outro. E quem nunca caiu no conto do vigário hein? Essas histórias segundo se apurou teriam surgido em terras brasileiras e de lá pra cá passou a ser “adotada”como estratégia de vida. É passando os anos que vemos claramente que essas farsas contadas sobre um Paraíso chamado Brasil, perambula no dia a dia, o famoso jeitinho brasileiro de se dar bem sobre o outro.Isso vale também para entendermos no cenário atual porque nosso país não vai pra frente, ainda está na marcha lenta dando seus passos e talvez deva ser por causa do conto do vigário que nos pregam sempre.

Acadêmicos da Rocinha
“A Guerreira Negra que dominou os dois mundos” Acadêmicos da Rocinha traz a história de Maria Conceição, a Maria Conga, negra escravizada no Brasil, fundou o Quilombo na cidade de Magé. Sua história contada pelas mãos da Rocinha exaltará a luta dos negros por liberdade.Sua história servirá de inspiração para a lutar seguir.Nossa guerreira sofreu perseguições por causa dos direitos e também de seus ideias.Maria Conga teve a vida ceifada e no reino da almas também acolhe seus filhos que tanto necessitam, levando seu exemplo de sua luta, seu acolhimento e também sua resistência.Serviu de porta-voz aos negros tomando a frente as dores para a escravidão acabar de uma vez por todas.
Maria Conga traz luz aos seus filhos, erguendo o espírito de batalhas na contra a chibata moderna que antes era no chicote e que hoje é no gatilho, na pólvora e também no chumbo. No Quilombo da resistência é forte o grito por igualdade que ressoara aos cantos desse mundo para que o direito a igualdade se faça presente.

Unidos da Ponte
“Elos da Eternidade”Apostando na eternidade como fio condutor do seu Carnaval a Unidos da Ponte faz uma conexão entre o ser humano e o Cosmos e vai muito além disso, pretende buscar o significado de eternidade diante daquilo que chamamos vida e nos rodeia como por exemplo: Os planetas, estrelas, buscando já de início desenvolver o raciocínio do ser humano em afirmar que a eternidade nem precisa ser medida sob a óptica de vida humana porque não duram mais. Tendo em vista ainda que a eternidade pode ser mistificada através de modos humanos, a busca pelo que chamamos de rejuvenescer, baseando-se nos seres mitológicos,criadores e usuários de determinados meios,comprovadas que não funcionam realmente, o desespero de viver para sempre. Comprovando que nada de fórmulas existem,podemos afirmar que a eternidade está ligada ao conhecimento deixado por aqueles que eternizaram em suas vidas a verdadeira “fórmula”de manter viva a constância arte que o tempo deixou e que ninguém esquece. Falar de eternidade, é falarmos de laço, unidos, atados no mesmo propósito. É deixar eternizado quem deixou legado, é exaltar quem deixou para a humanidade a herança principal que o tempo não apaga. Passado e presente se configuram no Cosmos ao Homem como elo de ligação, um Universo chamado samba que precisa ser cuidado para ser eterno.

Unidos do Porto da Pedra
“O que que a baiana tem?Do Bonfim à Sapucaí” Uma justa homenagem as baianas e toda a sua importância que elas possuem e contribuem para nossa sociedade. O enredo da Porto Da Pedra parte lá da África quando mulheres negras se tornam escravas e seus patrões não satisfeitas veem nelas a oportunidade de ganhar dinheiro surgindo assim as quituteiras.O tempo avanço partem para o Rio de Janeiro em busca de uma vida melhor, assim surgindo uma pequena áfrica dentro do Rio, dali começou os primeiros passos culturais digamos assim,abertos para o samba. A forte tradição negra dessas baianas foi ganhando espaço e foi se carnavalizando as festanças religiosas por uma série de posicionamentos, gestos, a envoltura nas danças, era como se fosse a ala das baianas,  a partir dali é que se chega nas alas das baianas de uma escola de samba, importante na contribuição, indispensável para o samba.Pelas mãos dessas baianas temos a lavagem do Sambódromo oferecendo proteção, limpeza para a festança popular acontecer e saudar às mães do samba e livrar qualquer intolerância religiosa que possa acontecer.De forma clara:É uma linha do tempo aberta desde a África de onde vieram até chegar com sua alegria ao Carnaval, e nesse tabuleiro hoje tem alegria, felicidade o que antes era marcado pela dor de serem escravizadas e exploradas.

Acadêmicos do Cubango
“A Voz da Liberdade” Cubango faz um resgate importante na figura central de Luís Gama,toda uma luta antirracista ao qual fez parte. Filho de Luíza Mahin, escrava que liderou toda uma revolta, conhecida com a Revolta dos Malês, defendeu seu povo contra a escravidão e todo um firmamento imposto contra aqueles que não obedeciam a imposição religiosa. Sendo filho de Luíza Mahin , Luís Gama foi um combatente das causas racistas que lá trás tiveram efeitos e se formos parar para analisar nos dias de hoje, a luta também continua, é só uma jornada apenas de se construir uma sociedade igualitária, um país melhor para que todos possam viver iguais.É se espelhar em Luís Gama como figura importante desse enredo que a Cubango quer ser a voz da Liberdade, o grito ainda entalado na garganta de liberdade,lutas que  ainda existem na tentativa de reconstruir essa sociedade que tanto queremos, que a pele sofrida, não seja apenas vista como escravizada, mas sim de real importância que ela tem para nossa sociedade e que possa caminhar juntos como irmãos de sangue que nos une.

Renascer de Jacarepaguá
“ Eu que te benzo, Deus que te cura” Com esse título vamos embarcar num Universo mágico e religioso. A Benzedeira servindo de inspiração na Renascer para mostrar a pluralidade espiritual porque é assim.Todos nós temos capacidade de benzer o irmão seja pela oração ou pela transfusão de energias, porém os capacitados consegue o poder de atuação mais forte. Mas esse universo não surgiu a pouco tempo não, benzer alguém veio hierarquizado por três vertentes distintas: Européia, Indígena e também Africana de verdade. Essas três vertentes digamos que estão conectadas e cada qual apresenta um ritual de benzimento, seja na forma das orações, pedir aos santos, utilizando do ritual indígena e até mesmo no culto aos orixás. Esse povo que esse dom é considerado patrimônio imaterial por fazerem parte da cultura e também da história. Ato de fé que embala e acalma nosso corações. Se deixe levar pela sensação do sentimento mais puro que possa estar te abençoando.

Império Serrano
“Lugar de Mulher é onde ela quiser” Olha a crítica aí na Serrinha liderada pela Tia Maria do Jongo. Ela será a voz ativa do chamado Empoderamento feminino, ou seja, a mulher só século XXI. Um enredo bem atual pelo momento em que se falar de empoderamento, aqui opinião minha, não é mostrar o peito e a bunda  para ganhar o poder da palavra ou reivindicar alguma coisa. Empoderamento feminino é sim lutar , é ver a capacidade que a mulher tem , e não está colocado aqui como qualificação, mas capacidade, no sentido de saber se posicionar frente a tantas questões, é ter o poder de argumento na dose que precisa ser colocado , é não se omitir diante das injustiças que assola as mulheres, é defender por igual, é se unir pelas mesmas causas beneficiando a todas e não apenas uma parte, o discurso tem que ser igual, e não apenas servir para uma parcela das mulheres.São tantas personalidades femininas que tiveram papel de destaque nessa luta pelo empoderamento, fazendo o não jus àquela ideia de sexo frágil, mulher luta com tamanha força, dialoga mesmo quando o machismo querer sobressair.São mulheres que vem na linha de frente servindo de porta-voz para surgir a cada dia mulheres que carreguem as bandeiras dessas mulheres que foram importantes para se ter hoje o chamado empoderamento.  Um enredo super atual que vale a pena conferir porque é importante nos dias atuais falar dessa mulher que merece estar em qualquer, onde ela quiser, porque foi-se o tempo de mulher servir ao marido e pilotar o fogão.

 Acadêmicos do Sossego

“Os tambores de Olokun”Abrindo a segunda noite dos desfiles da Série A, a Acadêmicos do Sossego traz Olokun como fio condutor desse enredo para celebrar às raízes sagradas, históricas e personagens do cortejo negro que nasceu  em Pernambuco e vai unir o samba ao Maracatu. Através desse enredo vamos mergulhar na ancestralidade e como dessas profundezas,quando o chão estremecer, nasceu o ritmo frenético chamado Maracatu. E quem é Olokun? Rapidamente falando é orixá guardiã das profundezas dos mares. São esses tambores que jamais se calarão, os tambores do senhor do mar que se transformaram nos tambores culturais revelando assim ao grupo que chegou nos arredores do Recife, a verdadeira corte para qual os tambores ressoavam, a corte desfilava com sorriso no rosto, pronto,estava nascido o Maracatu. Que ressoem os tambores de Olokun para vibrar a felicidade de um povo que carrega consigo o orgulho de sua história.

Inocentes de Belford Roxo
“Marta do Brasil:Chorar no começo para sorrir no fim” Mais um enredo de extrema importância.Acima de qualquer homenagem esse enredo da Inocentes de Belford Roxo irá trazer uma luta diária pelo espaço da igualdade da mulher. Como fio condutor desse enredo temos a jogadora Marta servindo de inspiração a tantas outras mulheres que lutam diariamente para serem reconhecidas. Da infância pobre no Nordeste à embaixadora da ONU e também como a jogadora mais premiada no mundo da bola.Marta possui em sua vida, uma história difícil, mas de superação e e superar todos os dias.
Exemplo de perseverança, Marta se tornou um espelho na luta das adversidades, servindo de referência para muitas mulheres seguir seu caminho.Lutou e ainda luta contra os preconceitos, contra todo um machismo que existe nesse mundo.
Marta serve como instrumento do empoderamento feminino, é voz ativa na luta pela igualdade.A sua vontade de vencer está na bola no pé, ali mostra todo seu talento, garra.O título do enredo da Inocentes é justamente essa frase de apelo da Marta após o jogo da seleção feminina, encorajando as novas meninas a nunca desistirem, seguir lutando com persistência e esperança até o fim que a alegria vem depois de tantos esforços.

Unidos de Bangu
“Memórias de um Griô:A diáspora  africana numa idade nada moderna e muito menos contemporânea” Bangu traz em seu enredo memórias contadas pela visão do Griô, personagem principal desse enredo que pretende nos relatar de forma cronológica, ou seja, nas linhas do tempo, tudo que aconteceu no continente africano até os dias atuais e para isso volta-se no tempo com a chegada do Europeu ao continente e a partir daí se desenrola essa memórias onde a África jamais se tornaria a mesma. Tal mudança se entende até a idade de hoje pela qual transita muitas lutas, preconceitos, enfim, todo um movimento que ainda está enraizado.Com essa chegada do Europeu, o povo africano não tinha escolha, ou eram colonizados ou escravizados e aí deu no que deu.Mudou-se a história definitivamente, males foram criados, a pele sangrava e o sofrimento era de perto, nossos irmãos africanos escravizados. Mas numa idade nada atual que vivemos hoje, as lutas continuam na tentativa de igualdade,o povo negro luta diariamente por espaços dentro dessa sociedade que ainda está presa ao passado que escravizava , a luta segue na esperança de um dia todo o preconceito acabar.

Acadêmicos da Santa Cruz
“Santa Cruz de Barbalha-Um Conto Popular no Cariri Cearense” Eh minha gente danada de boa, Santa Cruz nos traz para 2020 no Carnaval em forma poéticas, as histórias do Município de Barbalha, bem lá trás mesmo, onde até o Rei do Baião passou por lá e o que veremos são as diversas manifestações culturais daquela região como o carregamento do Pau da Bandeira, a festa de Santo Antônio e a cultura dos engenhos. Vamos adentrar para dentro do Ceará, nessa pequena cidade de terra que abriga histórias de sua gente. O convite tá feito para todos nós irmos até Barbalha e se deliciar com essas histórias fantásticas que a Santa Cruz vem contar.
Enriquecimento cultural muito presente nesse enredo, ao lermos a sinopse, curta , não muito longa, se vê a raíz nordestina exaltada.Tem alegria, tem musicalidade.Um enredo gostosinho para se admirar.Viva Barbalha e a cultura nordestina.

Imperatriz Leopoldinense
  “Só dá Lalá” Rebatizado, a Imperatriz Leopoldinense reedita o enredo do ano de 1981, “O teu cabelo não nega”, composição de Lamartine Babo para o Carnaval 2020 para prestar uma homenagem a esse compositor que era só alegria.Nesse espaço lúdico, chamado Carnaval,  A Imperatriz promete entusiasmo e alegria ao falar novamente de Lamartine em novos tempos. Lamartine foi uma figura altamente carnavalesca, autor de inúmeras marchinhas de carnaval, um cara que tinha a alma da cidade carioca, autor de vários hinos de times de futebol.Com Lamartine, a Imperatriz pretende resgatar a alma de sua comunidade que é alegre, um reencontro em novo espaço de tempo, buscando a identidade cultural de sua gente, essa impregnada da cabeça aos pés.

Unidos de Padre Miguel
“Ginga” A Unidos de Padre Miguel fala sobre a Capoeira no Carnaval 2020. Surgida na Angola através dos jovens guerreiros. Filha da Mãe Africana, nasceu sob a benção de Okô, divindade da cultura. Presos nas senzalas e na luta pela fuga, o movimento dos pés, braços e cabeça, demonstrava já o reconhecimento da Capoeira. Cruzou os mares e pelo Brasil veio parar. Ela é negra, branca, indígena, ela é brasileira. Ela é gira que corre nas rodas e que une a todos. Cânticos e toda uma filosofia que possui,faz a capoeira ganhar cada vez mais espaço. Essência afro-brasileira. Capoeira é encontro da dança com seu ancestral, é o movimento de luta que mostra a arte e a defesa. Um tempo proibida, a capoeira hoje é patrimônio imaterial, e de grande valor e importância pois preserva toda uma identidade afro.

Império da Tijuca
“Quimeras de um eterno aprendiz” Para que todos entendam o enredo da Império da Tijuca, elencarei o fio condutor desse enredo: Evando dos Santos, pedreiro literário Sergipano que não teve uma infância fácil, uma trajetória que será contada do homem extremamente importante no que tange a educação. Um cara que distribuiu livros no subúrbio carioca e ainda fundou sua biblioteca comunitária com 50 livros.Para um cara que foi alfabetizado adulto, Evando servirá de recorte nesse enredo junto com educadores brasileiros que são referências para a educação, em tempos de total descrédito para com ela e também com avanço tecnológico em alta.Esse enredo vem figurar na importância do conhecimento e que ele esteja ao alcance de todos e não contemplando apenas uma parcela.Nessa linha de frente, o enredo permite ainda abordar grandes nomes da educação brasileira, ressaltar a importância dos professores para a nação e até mesmo da própria escola com enredos que permitem fazer a interlocução entre o conhecimento em determinados grupos de estudos até chegar no popular e ver aquele passado de geração para geração. Contar essa linha de enredo através de Evando e toda sua história,permite a significação grandiosa que se tem para com o compromisso da educação, o saber fundamento no ensino com nossa sociedade. Vamos ver através desse enredo ainda, vários discursos pedagógicos baseado no reconhecimento de tanta cultura literária, seja ela nordestina, até mesmo em chegar na meta de sonho. Um carnaval cheio de educação que o Morro da Formiga pretende nos contar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anuncio No Post